O Banqueiro Anarquista…ou a astróloga leoa

Ando com pouca vontade de escrever publicamente e estou a trabalhar em dois objectivos distintos da astrologia. Resultado: o afastamento à vista. Ao mesmo tempo parece que podem haver intenções diferentes com a astrologia, mas tudo é ainda muito intangível, bem ao gosto de Peixes. Recorde-se que estamos no decorrer de uma lunação de Peixes!
 
Fernando Pessoa foi poeta, astrólogo e interessado em ocultismo. Tem inclusivamente pelo menos um livro publicado dedicado a este tema. Fernando Pessoa levantou um mapa de Portugal cujo MC é Peixes. Este mapa inspira-me confiança porque sei que terá sido um ocultista dedicado, um astrólogo que de facto sabia da arte…. sei lá, até talvez da Arte! Bom refiro-me a outras Artes e estou a brincar com as palavras e seus significados menos conhecidos. Ai eu e as minhas marotices! Mas pronto, ele inspira-me uma confiança total em relação ao mapa de Portugal, isso é que interessa de momento! Diz-me a experiência que vamos sempre parar ao que o MC simboliza. Sempre! Mas… muito trabalho teremos pela frente se queremos viver de acordo com os aspectos positivos do signo do MC! Aquilo que temos de bandeja se não nos mexermos, são os aspectos negativos. No link que deixo disponível no fim desta publicação podem confirmar as palavras chave para Peixes. Eu olho de facto para os portugueses enquanto grupo, como gente com talento para a tragédia! Basta pensar nos corações dilacerados pela saudade…. palavra que parece ser tipicamente lusa! Atentem nas letras dos fados e vejam o rol de tristezas e desgraças. Só um exemplo:
Não sei, não sabe ninguém
Por que canto o fado
Neste tom magoado
De dor e de pranto
E neste tormento
Todo o sofrimento
Eu sinto que a alma
Cá dentro se acalma
Nos versos que canto
Foi Deus
Que deu luz aos olhos
Perfumou as rosas
Deu oiro ao sol
E prata ao luar
Foi Deus
Que me pôs no peito
Um rosário de penas
Que vou desfiando
E choro a cantar
E pôs as estrelas no céu
E fez o espaço sem fim
Deu o luto as andorinhas
Ai, e deu-me esta voz a mim
Juro que me faz impressão ler que Deus deu o luto às andorinhas! Na minha alma eu sinto as andorinhas leves e livres. Que raio de coisa esta de alimentar a dor e o sofrimento! Endeusar o luto! Detesto, odeio esta postura! Não suporto! Pior…. sei como estes estados de alma atraem uma vida de vítimas! Vidas de quem vai para Fátima pagar promessas de joelhos!!! Gosto de ser portuguesa mas de forma nenhuma me revejo nisto! Recuso! Fado? Gosto do desfado da Ana Moura que goza com tanta desgraça! Ai que tristeza esta minha alegria, ai que alegria esta tão grande tristeza, canta ela! Pois é, acho que tem pessoal que retira prazer das grandes tristezas!
E o que penso tantas vezes, é como a pandemia…. ou mais propriamente a gigante palermia, veio trazer a tantos portugueses esta coisa da vitimização, a oportunidade de ser um herói ou uma heroína trágica, que neste caso veio pela mão de uma pandemia, coisa de Peixes, já que uma pandemia acontece quando não há limites à disseminação de um agente patogénico. Ausência de limites é apanágio de Peixes. Acontece que se não há limites, não somos “nada”, não somos gente com voz e vontade (Leão) porque isso implica uma identidade, e uma identidade delimita um território, o território do Eu. Em Peixes podemos aceitar ser mártires, sacrificarmo-nos em prol do bem dos outros, anularmo-nos. Com Aquário algo do género acontece. Não somos ninguém (Leão), somos um grupo de pessoas, uma massa de gente amorfa sem individualidade. Isso é uma das consequências das máscaras! Tornamo-nos muito menos diferenciados.
Vou voltar a Fernando Pessoa. Em cima da minha mesa tenho um livrinho que o meu filho começou a ler. O banqueiro anarquista de Fernando Pessoa. Vou transcrever a contra capa:
Tão regrada, regular e organizada é a vida social portuguesa que mais parece que somos um exército do que uma nação de gente com existências individuais.
Um exército é um grupo de pessoas que cumpre ordens, uma massa de gente onde não há espaço para a individualidade de cada um. Não há Leão! Mas se usarmos a astrologia como um auxiliar de pensamento, tem que haver obrigatoriamente aspectos positivos de Leão (alegria, lazer, criatividade) ou instala-se um desequilibro no eixo Aquário/Leão!!! Não admira sermos um país pobre na cauda da Europa, de rabo entre as pernas, que se ajoelha e agradece os trapos na cara que nos querem fazer acreditar irão defender e proteger a nossa saúde. Falta-nos os aspectos positivos de Leão e falta-nos aspectos positivos de Virgem, falta-nos discernimento e saber de facto cuidar da saúde. Onde já se viu comportamentos doentios como o uso permanente de máscaras, o confinamento, a proibição de estarmos sentados nos bancos de jardim, proporcionarem a ausência de doença???? Só mesmo quem gosta de cantar a Vida em tom magoado de dor e de pranto pode engolir uma destas!!!!!
Se há coisa que agradeço à Vida, ao Universo, ao meu Eu Superior foi ser capaz de polir e activar o meu nodo norte em Leão. Não pertenço a uma massa amorfa de gente, tenho um EU que se recusa a compactuar com a estupidez instalada.
Sai-me isto numa lunação de Peixes que aconteceu onde? Na minha casa 5, a casa natural de Leão. Eu posso e vou rugir sempre que entender! Existe uma pandemia sim, de parvoíce e ignorância, de abuso de poder também. Eu pertenço à resistência!
https://www.umacasanasestrelas.com/wp-admin/post.php?post=15157&action=edit
Share Button